▸ Acompanhe nas redes

DIRETO AO PONTO
Enviar por e-mail Compartilhar Imprimir

27/08/2021 - 05:10

Vovó Cacilda pede mais atenção para os pequenos empreendedores

As contam avolumam-se

A ESPERANÇA não pode morrer, porque sem ESPERANÇA e sem fé não se educa, não se vive e não se constrói nada.  

Por Warnoldo Maia de Freitas

Depois de ver o apresentador de televisão questionar, indignado, as razões que levam quem presta qualquer serviço ou vende qualquer produto para as administrações estaduais ou municipais a cobrar sempre mais caro, vovó Cacilda resolveu sair em defesa do empresariado.

E durante a conversa animada com vovó Zezinha, durante o almoço, vovó Cacilda fez questão de lembrar que o empresariado acaba sendo "obrigado" a cobrar mais caro para poder cobrir suas despesas, porque, ele sabe que as gestões estaduais e municipais sempre "enrolam muito" para pagar.

"Todo mês o empresário tem que pagar os seus impostos, porque se não o fizer dentro dos prazos estabelecidos a conta acaba dobrando de tamanho, pois a Receita Federal não quer saber de mi,mi,mi", explica vovó Cacilda.

Do alto da sua experiência, vovó Cacilda destaca que quem é pequeno, não tem padrinho forte e não dispõe de capital de giro para sobreviver por quatro, cinco, seis  meses, não deve se meter a besta e fazer negócio com governos ou prefeituras, porque as esperanças surgidas logo acabam transformando-se em sofrimento e agonia.

"Você começa a trabalhar, cheio de esperanças, faz planos e projetos, acreditando que no curto prazo vai começar a entrar dinheiro e a situação vai melhorar. Mas, depois de dois, três meses você fica frustrado, porque depois de emitir as notas de serviços ou de venda de produtos você vai ser obrigado a acertar as contas com a Receita e pagar sobre um faturamento ainda não recebido; Quer dizer, acaba gastando o pouco que tem sem saber quando vai receber", explica.

Vovó Cacilda ressalta, ainda, que os gestores precisam dar atenção especial aos PEQUENOS e procurar pagar de forma mais rápida pelos serviços prestados ou produtos comprados, porque atrás desses pequenos empreendedores há muito pai de família esperando receber para organizar sua vida e pagar pelos serviços dos colaboradores.

"Geralmente, quem recebe maiores valores, acima de nove ou dez dígitos, tem mais gordura para queimar e pode esperar três, quatro, cinco meses para receber. Mas o pequeno não pode se dar a esse luxo. Cada atraso representa uma nova agonia, um novo sofrimento, uma noite não dormida. A Manaus Energia e a Águas de Manaus, por exemplo, não querem saber de desculpas e agora estão ameaçando com corte do fornecimento quem atrasa o pagamento em até uma semana", argumenta. "Os colaboradores também não acreditam que governos e prefeituras passem até três, quatro meses para pagar suas dívidas. Quer dizer, a vida sofrida do pequeno acaba virando um pesadelo", completa.

Vovó ressalta, ainda, que é preciso acabar com essa "mania" de "um culpar o outro" e obrigar o empresário, fornecedor de serviço ou produto, a ficar correndo da sala para a cozinha para "MARCAR" de perto os secretários para tentar "sensibilizá-los" a pagar pelo menos parte do montante faturado.

"As informações disponíveis no noticiário revelam que os gestores estão com dinheiro em caixa. Logo, se há ORÇAMENTO E FINANCEIRO disponível eles não têm motivos, não têm razões para protelar o pagamento de ninguém. Ou será que têm", questiona vovó Zezinha.

Vovó Cacilda faz questão de lembrar, ainda, que tem secretário prometendo PRIORIZAR demandas recebidas, mas tais promessas acabam não passando, mesmo, de declarações feitas, registrando a intenção futura de cumprir com o que foi prometido, mas que logo depois acabam esquecidas.  
 
Segundo ela, diante de tais condutas que só servem para atrapalhar, muitas ESPERANÇAS se perdem e levam a um questionamento simples:
 
Se uma PRIORIDADE - que é aquilo colocado em primeiro lugar por ser considerado importante - não é resolvida em OITO MESES, por exemplo, quanto tempo será necessário para resolver demandas que não são consideradas prioritárias?.

"A ESPERANÇA NÃO PODE MORRER OU VIRAR AGONIA. Ela também não pode ser destinada somente para alguns. Ela precisa estar, verdadeiramente, à disposição de todos", lembra a boa velhinha.
 
Alguém já disse um dia que "sem ESPERANÇA e sem fé não se educa. E sem educação não se constrói valor e sem valor não há vida" e não se constrói nada.
 

 

VEJA MAIS

Publicidade
Publicidade
Publicidade

CURTA-NOS